Artise - Associação dos Artistas de Sobradinho e Entorno

Partilhe este site...

 

Seja bem-vindo!

 Interrogação

Comentários

Telefones de Emergência 

Polícia Civil 197

Defesa Civil 199

Polícia Militar 190

Polícia Federal 194

Pronto-Socorro 192

Disque-Denúncia 181

Corpo de Bombeiros 193

Delegacias da Mulher 180

Polícia Rodoviária Fed. 191

Polícia Rodoviária Est. 198

Telefones Úteis

Ibama 152

Procon 151

Detran 154

CEB 0800-610196

INSS 0800-780191

Água e Esgoto 115

Vigilância Sanitária 150

Polícia Federal 3311-8000

 


Pintura egípcia rara de 3.400 anos

Pintura egípcia rara de 3.400 anos vai a leilão em Paris

 Fonte: uol.com.br

Uma frágil e rara pintura funerária numa tela de linho pertencente à XVIII dinastia egípcia (1400-1300 antes de Cristo) será leiloada em 18 de junho pela Casa Piasa, em Paris.

Esta é uma venda excepcional, já que é a primeira vez que uma tela funerária vai a leilão. Existem apenas 22 exemplares preservados em todo o mundo, a maioria guardada em grandes instituições como o museu do Louvre (Paris) e o museu Metropolitan (Nova York).

Ela mede 29 por 21 centímetros e foi descoberta por Henri-Pierre Teissèdre, diretor e curador da casa Piasa, entre os bens de Jeanne Loviton, editora, escritora e advogada que morreu em 1996.

Conhecida como "Ta-nedjem" ("doce país"), o defunto é representado de perfil, como mandava a tradição, sentado em uma poltrona na frente de uma pequena mesa de oferendas (pão, cabaças e pedaços de carne). "Oferta de tudo o que é bom e puro para o espírito de Ta-nedjem, justo de voz".

Estas obras de linho correspondem a um tipo de tecido funerário descoberto em Deir el-Medineh (Vale dos Reis), onde morava a irmandade dos artesãos responsáveis pela construção de túmulos e templos mortuários dos faraós durante o Império Novo, segundo o especialista Christophe Kunicki.

A tela é feita do mesmo material usado para embrulhar múmias. Estas peças eram colocadas em mortalhas, em torno do sarcófago, como mostra a única cópia encontrada no local.

O exemplar que será leiloado pela Piasa "tem muitas semelhanças com o que está exposto no Louvre: mesma pintura, mas escrita diferente", explicou Christophe Kunicki.

O preço estimado deste precioso testemunho histórico ainda não foi divulgado, tendo em conta que esta é uma venda inédita.