Artise - Associação dos Artistas de Sobradinho e Entorno

Partilhe este site...

 

Seja bem-vindo!

 Interrogação

Comentários

Telefones de Emergência 

Polícia Civil 197

Defesa Civil 199

Polícia Militar 190

Polícia Federal 194

Pronto-Socorro 192

Disque-Denúncia 181

Corpo de Bombeiros 193

Delegacias da Mulher 180

Polícia Rodoviária Fed. 191

Polícia Rodoviária Est. 198

Telefones Úteis

Ibama 152

Procon 151

Detran 154

CEB 0800-610196

INSS 0800-780191

Água e Esgoto 115

Vigilância Sanitária 150

Polícia Federal 3311-8000

 


Morre o cantor e poeta Leonard Cohen

Leonar Cohen

"Sua música transcendeu as gerações", disse o primeiro-ministro canadense. Fãs se reuniram e prestaram homenagens em frente à casa do artista.


Leonard Cohen, notável músico e poeta canadense, morreu aos 82 anos, depois de percorrer o mundo em busca de sua própria melancolia e emergir como a voz espiritual de sua geração.

"Perdemos um dos mais reverenciados e prolíficos visionários da música", afirma um comunicado publicado na página no Facebook do artista.

O prefeito de Montreal, cidade natal de Cohen, Denis Coderre, anunciou luto oficial no município. Fãs rapidamente se reuniram diante da residência do artista, no centro do distrito de Plateau Mont Royal na cidade canadense, onde acenderam velas e cantaram algumas de suas músicas.

"A música de Leonard Cohen era como nenhuma outra e transcendeu as gerações", disse o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, também nascido em Montreal.

Cohen foi uma das pessoas que carregou o caixão de Pierre-Elliott Trudeau, ex-primeiro-ministro e pai do atual chefe de Governo em seu funeral, que teve as presenças do então presidente americano Jimmy Carter e do cubano Fidel Castro.

"Leonard Cohen era uma lenda", afirmou Eric Baptiste, diretor da Sociedade Canadense de Autores, Compositores e Editores de Música.

Fã presta homenagem a Leonard Cohen em frente à casa do músico, em Montreal (Foto: Paul Chiasson/The Canadian Press via AP)

Álbuns aclamados

Com sua voz rouca e grave, o artista lançou seu último álbum no mês passado, "You want it darker", no qual refletia sobre sua própria mortalidade.

O músico, que lutava contra o nervosismo que sentia no palco inclusive no auge de sua carreira, gravou álbuns aclamados pela crítica, mas nem sempre considerados comercialmente viáveis.

Cohen é o compositor de algumas das canções mais memoráveis do século XX, como "So Long, Marianne" e "Suzanne", inspiradas em duas das muitas mulheres que se transformaram em suas musas, além de "Hallelujah", regravada diversas vezes e interpretada praticamente como um hino religioso.

Mais confortável na solidão

Nascido em 21 de setembro de 1934 em uma próspera família judia que fundou sinagogas no Canadá, Cohen foi celebrado como um dos grandes escritores em seu país, mas passou a vida adulta constantemente em movimento, tanto geográfica como espiritualmente.

Ele iniciou a carreira musical nos anos 1960 em Nova York, onde conheceu artistas de vanguarda como o pintor Andy Warhol e o líder do grupo Velvet Underground, Lou Reed, que introduziu o canadense no Salão da Fama do Rock and Roll em 2008.

"Somos muito felizes por viver ao mesmo tempo que Leonard Cohen", afirmou na ocasião.

Mas Cohen, por temperamento, estava muito mais confortável em relativa solidão. O artista passou anos na ilha grega de Hidra, onde escreveu a uma prudente distância da confusão do mundo, e passou o capítulo final de sua vida como um monge budista Zen em um mosteiro próximo da região de Los Angeles.

Após anunciar o fim da carreira, na década de 1990, teve que voltar aos palcos em 2004, por razões financeiras, depois de sua agente desviar milhões de dólares.

Sua gravadora anunciou a morte nesta quinta-feira (10) à noite e informou que uma cerimônia fúnebre privada será organizada em Los Angeles.

Trabalho confessional

Cohen descrevia seu trabalho como confessional, mas de uma maneira que permitia explorar seus pensamentos.

"Nunca pensei que fosse realmente alguém importante. Por isso o trabalho que tinha era apenas cultivar este pequeno espaço do campo em que acreditava conhecer algo, que tinha algo a ver com introspecção, sem autoindulgência", afirmou ao apresentador de rádio canadense Jian Ghomeshi em 2009.

Cohen sorri durante homenagem na premiação Song Lyrics, em Boston (EUA), em 2012 (Foto: REUTERS/Jessica Rinaldi)

Budismo e mulheres

O músico manteve um longo fascínio com a questão espiritual, considerando-se judeu, mas se dedicando ao budismo e também a estudos com um guru hindu.

Cohen, que tem álbuns como "Death of a Ladies' Man" - também ficou conhecido por seu apetite sexual, tendo numerosas mulheres, e escreveu "Chelsea Hotel no. 2" sobre sua relação com a cantora Janis Joplin.

Muitas vezes, ele foi comparado a Bob Dylan pela profundidade de suas letras. "Leonard Cohen foi um músico sem igual, cuja obra assombrosa e original alcançou gerações de fãs e artistas", destacou a gravadora Sony Music.

"Seu extraordinário talento teve um impacto profundo em um número incalculável de cantores e compositores, e sobre a cultura em geral", afirmou a Academia dos Grammys, que concedeu em 2010 um prêmio especial a Cohen pelo conjunto de sua carreira.

(Foto: Mike Lawrie/Getty Images/AFP)