Artise - Associação dos Artistas de Sobradinho e Entorno

Partilhe este site...

 

Seja bem-vindo!

 Interrogação

Comentários

Telefones de Emergência 

Polícia Civil 197

Defesa Civil 199

Polícia Militar 190

Polícia Federal 194

Pronto-Socorro 192

Disque-Denúncia 181

Corpo de Bombeiros 193

Delegacias da Mulher 180

Polícia Rodoviária Fed. 191

Polícia Rodoviária Est. 198

Telefones Úteis

Ibama 152

Procon 151

Detran 154

CEB 0800-610196

INSS 0800-780191

Água e Esgoto 115

Vigilância Sanitária 150

Polícia Federal 3311-8000

 


Cancelamento dos desfiles de carnaval de 2015

Carnaval_2015

Devido a falta de verbas, o governo do DF anunciou o cancelamento dos desfiles de carnaval de 2015.

Correio Braziliense - 10/01/2015

Os galpões usados pelas escolas de samba do Distrito Federal (DF) estão cheios de fantasias prontas e empilhadas que dificultam a circulação pelos locais. O carnaval estava quase pronto para sair na avenida quando o Governo do DF anunciou o cancelamento dos desfiles nessa quarta-feira (9) por falta de verbas. As 21 escolas pediram R$ 6,35 milhões no ano passado para custear os preparativos para a festa. Não receberam um centavo. Hoje o governo acumula um rombo superior a R$ 3,5 bilhões.

“As escolas ainda não jogaram a toalha, ainda estamos trabalhando. Vamos buscar, se possível, judicialmente a manutenção do carnaval”, diz o presidente da União das Escolas de Samba e Blocos de Enredo do DF, Geomar Leite. Segundo ele, o governo pediu o prazo de 48 horas para conversar com empresas e buscar patrocínio. Uma alternativa é fazer um desfile menor, de apenas um dia e sem premiação.

A notícia do cancelamento foi uma surpresa. As escolas haviam entregado, no ano passado, o orçamento ao ex-governador do GDF, Agnelo Queiroz, que se comprometeu a cumpri-lo. A primeira parcela deveria ter sido paga em outubro. Recém empossado, o novo governo pediu a redução em 20%. As escolas conseguiram abater 22,6%. “Ele disse que resolveria o problema, dando ainda mais esperança para o pessoal continuar trabalhando. Tem gente que está há seis meses sem receber”, diz, Leite.

O trabalho começou em julho. Entre os funcionários, uma equipe veio do Rio de Janeiro para trabalhar na confecção das fantasias. As mercadorias foram compradas com cartas de crédito em lojas do Rio e São Paulo. A dívida é de R$ 2 milhões, de acordo com Leite.

“Está muito complicado. Não dá nem para comprar um sabonete, se você quer saber”, diz a costureira carioca Cássia Regina Dias, que dedica três dos 38 anos ao carnaval da Grande Rio e pela primeira vez veio trabalhar em Brasília. “No Rio duvido que isso aconteça. A gente trabalha no carnaval e se mantém o ano todo”.

Para exigir um financiamento, as escolas se baseiam na Lei do Carnaval (Lei 4.738/2011 do DF), que diz que o carnaval deve ser ser organizado, gerido e apoiado financeiramente pelo GDF, que deve proporcionar a infraestrutura, os serviços públicos de apoio e a divulgação necessários à realização do evento.

"Onde está a verba da cultura? Não pode colocar tudo nas costas do carnaval. Cada área tem sua verba, tem o dinheiro da segurança, da saúde, da educação, cada um tem a sua participação no orçamento", indigna-se o aderecista Sidney Waldo, que há 15 anos trabalha no carnaval do DF.

O secretário de Turismo do DF, Jaime Recena, disse na sexta-feira (9), decorrido quase todo o prazo acordado, que conversou com alguns empresários e que há pessoas interessadas no financiamento. A secretaria ainda vai preparar um plano para apresentar oficialmente aos possíveis patrocinadores. Para que os desfiles fossem realizados regularmente seriam necessários R$ 12 milhões. Ele ainda não fechou o valor que o GDF pretende captar para o carnaval alternativo.

Com os adereços prontos e o samba-enredo ensaiado, o presidente da Império do Guará, Mário Santos, que acumula dívida de R$ 167 mil, resume o desejo dos carnalvalescos da capital em um verso da música de Alcione: "Não deixe o samba morrer".